segunda-feira, setembro 25, 2006

Arqueologias

POETAS SEM AMOR
uma crónica de João Gaspar Simões



Teixeira de Pascoais
.
São deste teor morno as missivas amorosas que Fernando Pessoa
escreveu a Ofélia. E o facto de Álvaro de Campos ter confidenciado,
anos depois, o que o próprio Fernando Pessoa calou - “que todas as
cartas de amor são ridículas” - permite-nos compreender quanto foi
epidérmico o sentimento que o atraiu para essa criatura sem história e
quão alheia se manteve a esse episódio sentimental de feição burguesa
a trama profunda da sua obra. Seguramente o Fernando Pessoa que amou
Ofélia não é o Pernando Pessoa perpetuado nos seus versos. De facto,
o amor não foi nem necessidade emocional do autor da Mensagem nem
ingrediente fundamental da sua poesia. Toda a tua experiência de poeta
decorreu alhures. Ali onde ele se entrega à alquimia dos seus versos
não tem lugar o sentimento que porventura o atraiu momentâneamente
para o sexo oposto.
Não há sequer notícia biográfica de qualquer interregno passional
na vida de Pascoais. E embora haja quem considere a Elegia do Amor
prova da paixão que certa misteriosa mulher lhe teria inspirado, nenhum
dado concreto veio a lume acerca dessa ou de outra qualquer aventura
amorosa do cantor da Vida Etérea. Também Pascoais viveu só e morreu
só. Ao contrário do poeta da Mensagem, todavia, os seus versos não se
cansam de falar em alguma coisa que pelo menos no nome pode confundir-se
com o amor. Que espécie de amor? O “Amor” que em Diálogo, uma das
composições da Vida Etérea se entretém a conversar com a “Alma”: Quem
bate à minha porta? exclama o Amor. E a Alma responde: Uma velha men-
diga quase morta./Venho da escuridão da Natureza./No meu saco de pobre,
eu trago só tristeza.
Há séculos e séculos errante./Trémula sombra, ao vento murmurante./
/Ando de corpo em corpo.../O mármore beijei;
O mármore glacial e lívido animei.../ E em mística ternura,/ Fundiu-s,
como, ao sol, a neve pura;/E ei-lo sagrada flor./Turíbulo que exala aroma,
vida e cor.
Assim se exprime a Alma, e o Amor, de exortá-la a que se lhe confie:
Ó alma vagabunda e dolorida./Vem a mim. Sou o amor que te dá vida.
Que Amor é este? Que Alma é esta? O único amor que Teixeira de
Pascoais admitia: o amor sem raizes na vida, o amor mais amor que o
amor da carne. A identidade da alma do poeta com as coisas da natureza
num plano panteísta a que só ascendem as consciências primitivas dester-
ravam-no do mundo, isolavam-no da terra,É na nebulosa da sua própria
subjectividade que se desenrolam os dramas do mais filosófico dos nossos
poetas do século XX. A Teixeira de Pascoais pouco ou nada pesou não ter
conhecido o amor. Na paixão verdadeira existe uma parte de sensualidade que
nem o misticismo é capaz de subliamar. Se o poeta dos páramos abstractos
porventura encontrou uma mulher capaz de o amor como mulher, não como
símbolo das suas poesias mais reconhecidamente inspiradas num amor
humano, nem por isso a Elegia do Amor é menos imaterial e incorpórea
que qualquer das suas composições manifestamente abstractas:
Lembras-te, meu amor,/Das tardes outonais,/Em que íamos os dois,/
/Sózinhos passear./Para fora do povo/Alegre e dos casais./Onde só Deus
pudesse/Ouvir-nos conversar? /Tu levavas na mão/Um lírio enamorado,/
/E davas-me o teu braço:/E eu, triste meditava/Na vida, em Deus. em ti...
Efectivamente o amor não era a atmosfera ideal de uma natureza como
a de Teixeira de Pascoais. Os poetas sabem melhor do que ninguém cercar
de altas muralhas o espaço interior onde se formam as suas emoções.
Pascoais ter-se-ia desmentido como poeta se porventura houvesse consentido
que um amor tangível, um amor humano, perturbasse a paz desse mar interior
desconhecido que era a sua alma de poeta. Há “amor” na sua poesia, é
certo, mas um amor” que nada sabe das tristezas e alegrias que só o ver-
dadeiro amor consente. Na melindrosa atitude do poeta, sempre pronto
a preservar a sua poesia de tudo que possa corrompê-la. há, por vezes,
como que uma hostilidade pusilânime para com aquela que desde os tempos
mitológicos foi capaz de comprometer o destino solitário do homem.

(Continua)

João Gaspar Simões
eva
Natal
1961

1 comentário:

Frisco disse...

Teixeira de Pascoais (1877, 1952)

Biografia
Teixeira de Pascoais é o pseudônimo que Joaquim Pereira Teixeira de Vasconcelos usou para assinar sua obra literária. Nascido no dia 2 de novembro de 1877 em Amarante - Gatão. Teixeira Pascoais formou-se em direito pela Universidade de Coimbra no ano de 1901. Depois disso, exerceu a profissão de advogado na cidade de Amarante e no Porto. Essa atividade, no entanto, nunca o impossibilitou de seguir também a carreira literária, cuja estreia ocorreu no ano de 1897 com a coletânea de poesias intitulada "Sempre". No ano de 1912, à frente da Revista "A �guia" e do movimento Renascença Portuguesa, difundiu a doutrina do Saudosismo, que foi encarada como uma atitude perante a vida que definia a "alma nacional". O Sebastianismo divulgado por Pascoais influenciou muitos escritores portugueses do início do século XX. Dentre eles destaca-se Fernando Pessoa. O Saudosismo de Pascoais, no entanto, não dura muito tempo: em 1919, por considerarem Pascoais "utópico" e "passadista", alguns integrantes rompem com o grupo Renascença Portuguesa, o que acarreta no aparecimento do grupo "Seara Nova". Anos antes o próprio Fernando Pessoa já havia abandonado o grupo para dar novos rumos a sua poesia. Teixeira de Pascoais morreu no dia 14 de dezembro de 1952 em Amarante. A enciclopédia Barsa define Teixeira de Pascoais como o "principal inspirador do saudosismo sebastianista em Portugal início do século XX".
TĂ­tulos
Sempre (1898)À Minha Alma (1898)Sempre (1898)À Minha Alma (1898)Terra Proibida (1899)Terra Proibida (1899)Vida Etérea (1906)Vida Etérea (1906)As Sombras (1907)As Sombras (1907)Marânus (1911)Marânus (1911)Regresso Ao Paraíso (1912)Regresso ao Paraíso (1912)O Espírito Lusitano Ou O Saudosismo (1912)Elegias (1912)O Espírito Lusitano ou o Saudosismo (1912)Elegias (1912)O Doido e a Morte (1913)O Génio Português na sua Expressão Filosófica. Política e Religiosa (1913)O Génio Português Na Sua Expressão Filosófica. Política E Religiosa (1913)O Doido E A Morte (1913)A Era Lusíada (1914)A Era Lusíada (1914)Contos Indecisos (1921)Contos Indecisos (1921)Cânticos (1925)Sonetos (1925)Cânticos (1925)Sonetos (1925)O Penitente (1942)O Penitente (1942)

(Portaldaliteratura)