sexta-feira, agosto 31, 2007

The Dull Flame of Desire poetry in Stalker film

I love your eyes, my dear

Their splendid sparkling fire

When suddenly you raise them so
To cast a swift embracing glance

Like lightning flashing in the sky
But there's a charm that is greater still

When my love's eyes are lowered
When all is fired by passion's kiss

And through the downcast lashes
I see the dull flame of desire

2 comentários:

Frisco disse...

Stalker (russo: Сталкер) é um filme de 1979 do cineasta russo Andrei Tarkovsky, vencedor do prémio especial do Júri do Festival de cinema de Cannes de 1980. Foi filmado, em sua maior parte, na Estônia, então integrante da União Soviética. Stalker é um termo inglês que significa, em tradução livre, "o espreitador", "aquele que se esgueira". Tarkovsky, os três actores principais, além de outras pessoas que se envolveram na produção, morreram poucos anos depois, em razão de tumores presumivelmente originados da exposição às instalações industriais (radioactivas) da Estónia, onde várias cenas do filme foram gravadas.

O argumento é intrigante e passível de diversas interpretações, e é uma adaptação muito livre da novela de ficção científica Roadside Picnic, dos irmãos Strugatsky. Numa entrevista, Tarkovsky chegou a declarar que as semelhanças do filme com esta novela restringiam-se ao uso das palavras "zona" e "stalker". No filme de Tarkovsky, homem humilde, ex-presidiário, chamado "stalker", guia dois homens, chamados de "professor" e "escritor" (os nomes pessoais são omitidos) até e no interior da "Zona", região isolada por forças militares, localizada num pequeno país de nome não revelado. Havia a suspeita da presença de alienígenas, tendo em vista a ocorrência de fenómenos inexplicáveis neste local. A Zona é repleta de armadilhas - apenas os stalkers conseguem vencê-las, guiando pessoas, mediante pagamento. Segundo o stalker, no interior da Zona há um quarto capaz de realizar os desejos mais íntimos de qualquer pessoa que nele conseguisse entrar, após a ultrapassagem de todas as armadilhas. Este filme é típico do estilo de Tarkovsky, com tomadas lentas e longas, intensamente elaboradas, intercaladas com diálogos filosóficos e até mesmo poesias. Segundo declarou o director russo, o filme é principalmente sobre a fé (e a busca do paraíso interior), sendo secundário o elemento ficção científica, a exemplo do que havia ele havia declarado sobre Solaris, filme de 1972.
(da Wikipedia)

mario disse...

A poesia a poesia vista por Tarkovsky, momento alto de cinema
a zona o que est`a l`a e para l`a?
bjs